terça-feira, dezembro 21, 2010

DO OVO À GALINHA

Ou como uma divulgação mal feita pode contribuir para a diminuição do interesse pela ciência por parte do público não especializado.

Em julho desse ano, uma notícia bombástica correu o mundo e dizia trazer a resposta para uma das maiores dúvidas da humanidade: quem veio primeiro, o ovo ou a galinha? A manchete era ruim por dois motivos. Primeiro porque, para quem possui o mínimo conhecimento em biologia, há tempos tal dúvida já havia sido sanada: o chamado ovo amniótico (que traduzindo de uma forma bem simplificada para o público não especializado seria o ovo com casca), que está presente em todas as aves, bem como nos mamíferos ovíparos (hoje representados pelo ornitorrinco e as duas espécies de equidna), teria surgido com os primeiros répteis, e os répteis são os ancestrais desses dois grupos. E segundo porque a mesma alardeava que o que a evolução biológica nos mostrou até agora estaria errado. Criacionistas deram pulos de alegria mundo afora com a notícia, acreditando que ela invalidava a Teoria da Evolução. Teria então a galinha surgido antes dos répteis? O que houve na verdade foi um grande festival de confusões e de divulgações muito mal feitas (pra não dizer amadoras) de informações, principalmente por parte da imprensa, mas também com grande colaboração dos autores da referida pesquisa.
O que motivou o alarde foi o estudo realizado por uma equipe da Universidade de Sheffield e Warwich, no Reino Unido, chefiada pelo Dr. Colin Freeman, do Departamento de Engenharia Material. Eles chegaram à conclusão de que, aparentemente, a galinha teria surgido antes do ovo. Tudo porque uma determinada proteína só é encontrada nos ovos da galinha doméstica (Gallus gallus). Essa proteína é a enzima ovocledidina-17 (OC-17). Entende-se por enzima o tipo de proteína cuja função é atuar como um catalisador, acelerando reações bioquímicas – diferente das proteínas estruturais que, como o próprio nome diz, são responsáveis pela formação da maior parte da estrutura sólida dos seres vivos. Nesse caso, especificamente, a OC-17 seria a responsável pela aceleração do desenvolvimento da casca do ovo. O noticiário transmitiu ao público leigo apenas essa informação, sem maiores esclarecimentos, o que ocasionou a idéia falsa de que ovos com casca seriam impossíveis sem a presença de OC-17, o que não é verdade. Essa proteína é exclusividade dos galináceos, mas outras executam papel equivalente nos ovos de outros animais. 
Tal divulgação porca, aliada aos comentários entusiasmados (e por que não dizer hilários?) dos criacionistas gerou uma série de piadas no meio acadêmico das ciências biológicas. Uma delas diz que, já que a galinha veio antes do ovo, então a primeira delas foi parida – por qual tipo de animal, já seria outra questão. Satirizando o breve êxtase de felicidade criacionista, também se sugeriu que a galinha deveria ter surgido do nada (por incrível que pareça, uma forma de vida surgir aparentemente do nada é algo perfeitamente aceitável no criacionismo, vide o fato de seus adeptos levarem ao pé da letra afirmações bíblicas como a de que o homem teria vindo do barro), como é mostrado na figura abaixo.






Uma verdadeira pérola, que resume muito bem todo o desserviço que foi propiciado em cima dessa notícia pode ser verificada na reportagem sobre a mesma veiculada pelo Jornal da Globo na época. Segue abaixo o vídeo da matéria. Aviso: desaconselhável para aqueles de intelecto mais sensível.



Contudo, culpar apenas a imprensa pelo ocorrido seria uma grande injustiça. Claro que a maior parcela da culpa está nos meios de comunicação. Mas basta dar uma lida nas declarações do Dr. Freeman para perceber que esse fiasco também carrega uma boa dose de responsabilidade sua: "há muito tempo se suspeita que o ovo veio primeiro, mas agora temos a prova científica de que, na verdade, a galinha foi a percussora." Lembremos que Colin Freeman não é biólogo, mas químico. Isso por si só não o torna obrigado a ser um especialista em evolução biológica. Entretanto, o simples bom senso nos diz que devemos conhecer bem um assunto antes de fazer qualquer declaração sobre o mesmo, ainda mais em se tratando de um cientista comentando o próprio trabalho. Acredito que boa parte dessa confusão teria sido evitada se antes ele desse uma pesquisada básica na evolução dos Amniota. Dr. Freeman pisou feio na bola ao cometer tamanho descuido.
A pesquisa da Universidade de Sheffield e Warwich revelou que o ovo da galinha doméstica, com a proteína OC-17, só poderia mesmo ter surgido depois dela. E é verdade que isso só confirmou as suspeitas dos pesquisadores, uma vez que dificilmente uma característica como essa se manteria numa nova espécie, salvo se ela permanecesse muito parecida com a sua ancestral. Foi confirmado que o ovo de galinha veio após a diferenciação da galinha como espécie. E suspeita-se que essa seja uma regra entre as aves. Enfim, abordou-se especificamente uma espécie de ovo e não todos os tipos de ovos. O grande problema é que ao divulgar a descoberta, esqueceu-se desse “detalhe” e o que foi passado é que a galinha teria surgido antes que qualquer tipo de ovo, o que realmente não faz o menor sentido. E a equipe de pesquisa não pareceu se importar nem um pouco com tamanha distorção de informações. Infelizmente essa é uma realidade. Muitos cientistas não estão nem aí se o público não especializado entende ou não as suas descobertas.
Isso nos leva a uma importante reflexão. Este episódio acabou por dar força a alguns conceitos equivocados, como o de que os cientistas “vivem se enganando” e que, portanto “não dá para levar a ciência a sério” – acreditem, eu já ouvi isso. Também não se pode negar a nova munição que ela deu aos criacionistas nas suas doutrinações junto aos menos esclarecidos. Parece pouco, mas especialmente num país como o nosso, cujo governante faz piada com o hábito da leitura, onde o acesso à ciência básica é precário para a maior parte da população e cultiva-se a mentalidade de que a mesma é algo “difícil” e “maçante”, isso pode ter conseqüências desastrosas. O grande público, de modo geral e na maior parte do mundo, está longe de ser um grande fã da ciência. E casos desse tipo, que refletem uma grande incompetência de parte daqueles que possuem o dever de divulgá-la, só serve pra piorar a situação. Esperamos que algo assim não se repita, para o bem da humanidade e do planeta.

4 comentários:

Jenny Heemann disse...

E o pior é que muitas pessoas consideram lei o que os veículos de comunicação publicam. Nem se questionam sobre a veracidade dos fatos. Se o tal Dr. Freeman tivesse esclarecido o que vc colocou no texto, é bem provável que os jornalistas interpretassem da forma mais conveniente para o veículo. Isto é, levando em conta o que dá audiência. Mas claro que não podemos generalizar.

Atilassauro disse...

Que surpresa agradável vê-la por aqui, Jenny!
Claro que não podemos generalizar. Mas esse tipo de atitude certamente é o cúmulo. Muito obrigado pela visita. Beijos

* Andhora Silveira * disse...

É uma questão bastante pertinente, Átila. De fato a Ciência é algo muito inacessível às pessoas. Ela está lá, mas não há quem faça uma divulgação que seja compreensível a maioria das pessoas, principalmente aquelas que tem pouca ou quase nenhuma instrução. E quando se é feita a divulgação, é em uma linguagem muito técnica e científica que só pessoas da área irão compreender. Acredito que essa seja uma característica dos países mais pobres, onde a cultura da Educação no geral não é vista como uma prioridade. Alguns meios de comunicação se esforçam nessa divulgação de pesquisas, mas outro agravante é que tais meios são acessíveis a poucos e, infelizmente, os atuais meios de comunicação não estão nem um pouco preocupados em passar a cultura da Ciência, principalmente a televisão e a prova disso é a péssima programaçao da TV brasileira. Os canais que poderiam passar informações relevantes e que poderiam acrescentar algo ao conhecimento das pessoas são apenas para assinatura. O problema tem raízes profundas. Compartilho com você a esperança de uma mudança nessas concepções. Adorei o seu post. :)

Bondgirlpatthy 007 disse...

E aí amiguinho quem veio primeiro mesmo? the chiken or the egg? rssss. Bjs

BlogBlogs.Com.Br